20.1.08

'Fait divers'

COMO A IMAGEM NÃO É GRANDE COISA, tenho evitado a colocação deste post. Porém, como tanto se fala, agora, do Banco de Portugal, resolvi não protelar mais o assunto que, como adiante se verá, é bem ilustrativo daquilo que nós sabemos.
*
Há dias, ao passar em frente destas instalações do B.P., fiquei seduzido pelo que anunciavam os cartazes que aqui se vêem. Resolvi entrar, dirigi-me ao funcionário que estava mais à mão, e perguntei-lhe onde era o museu.
- Museu?! Qual museu?! - foi a resposta que me atirou.
Respondi-lhe que me referia ao anunciado no cartaz que tínhamos ambos debaixo do nariz, e um colega explicou-me que era «lá em baixo, descendo as escadas», uma informação que acompanhou com a sugestão «veja se lá está alguém».
E estava, sim senhor. Não visitantes, mas um senhor sentado a uma secretária, que me perguntou o que é que eu desejava.
Depois de lhe explicar que me encontrava ali porque, precisamente, desejava visitar a sala onde estávamos, deu-me, à laia de boas-vindas, um magnífico catálogo de 24 páginas, impresso a cores e em bom papel.
*
Resumindo e concluindo: a exposição recomenda-se, pois é interessante, muito bem apresentada e, além do mais, de entrada gratuita.
Ah!, e não vale a pena perguntar na portaria: a escada que lhe dá acesso fica logo ali, à esquerda de quem entra...

Etiquetas:

3 Comments:

Blogger R. da Cunha said...

A culpa não é do "senhor que estava mais à mão", pois não?

20 de janeiro de 2008 às 17:18  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Na realidade, era um funcionário que estava num balcão, uma espécie de portaria.

20 de janeiro de 2008 às 17:53  
Blogger R. da Cunha said...

O que eu queria dizer na minha, era se a culpa era do (provável) segurança, que não tinha, como devia ter, as necessárias instruções.

20 de janeiro de 2008 às 23:17  

Publicar um comentário

<< Home